As Vantagens de Ser Invisível - Stephen Chbosky

3 de jul de 2016


Título: As Vantagens de ser Invisível
Autor: Stephen Chbosky
Editora: Rocco
Lançamento: 2007

Sinopse:
"Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se é real ou imaginário. "

   Quando eu peguei esse livro para ler, confesso que estava desanimada com a história. No ano em que o filme foi lançado, me lembro perfeitamente que fiquei muito ansiosa para assistir e que quando finalmente consegui ver o filme, me decepcionei de tal forma que até hoje me recordo da minha reação. Eu sei que julgar um livro pelo filme não é certo, mas eu perdi o encanto pela história.

   Enrolei muito, mas comecei a leitura e para minha surpresa, eu adorei. Nunca estive tão feliz por estar errada. Acredito que talvez eu não tenha gostado do filme por não ter entendido a história ou pela cabeça que eu tinha na época. Sei que essas coisas acontecem. Você lê um livro em determinada época da vida e não gosta, e algum tempo depois quando você mudou, experimentou coisas novas, sua percepção do livro muda completamente.

   Fiquei tão chocada com minha primeira reação que tive de assistir ao filme novamente. O que eu achei? Gostei muito! Pode ser por causa da leitura que eu fiz antes é claro, mas posso afirmar que tenho outra impressão agora. Bom, mas vamos ao que interessa.

“Querido amigo,
Estou escrevendo porque ela disse que você me ouviria e entenderia, e não tentou dormir com aquela pessoa naquela festa, embora pudesse ter feito isso. Por favor, não tente descobrir quem ela é, porque você poderá descobrir quem eu sou, e eu não gostaria que fizesse isso. ”

   A história é contada por meio de cartas endereçadas a um amigo, que no caso podemos dizer que somos nós. Charlie conta nessas cartas sobre as coisas que acontecem no seu dia a dia. Ele é apenas um menino que passou por coisas complicadas. Seu único e melhor amigo Michael cometeu suicídio e sua tia Helen, que ele tanto amava, morreu em um acidente de carro quando ele era pequeno.

   Eu estranhei um pouco a forma como Charlie escreveu as primeiras cartas, mas a escrita dele logo melhorou, isso porque seu professor de inglês, durante todo o livro, o incentiva a ler e a escrever sobre esses livros. Charlie é um leitor exímio, algo que eu realmente admiro. Ele é bem parecido comigo no quesito timidez e por conta de tudo o que ele passou ele decide seguir um concelho e “participar” mais durante essa nova fase que é o ensino médio.

   Um dia ele decide ir a um jogo de futebol americano do segundo grau sem saber bem o porquê. Ele costumava ir a esses jogos com seu amigo Michel quando eles não queriam assistir televisão.

“Agora, normalmente sou muito tímido, mas o Nada parecia o tipo de cara com quem você pode ir a um jogo de futebol, apesar de você ser três anos mais novo e não ser popular. ”

  É nesse jogo que ele conhece Patrick (apelido: Nada) e Sam. Essas duas pessoas, nada politicamente corretas, e totalmente diferentes de Charlie vão proporcionar a ele experiências que provavelmente ele nunca experimentaria. Eles se tornam amigos de verdade.

   Charlie é uma daquelas pessoas puras, e quando digo pura me refiro aquelas pessoas que veem as coisas como elas de fato são.

“Eu tive uma sensação na sexta à noite, depois do jogo de ex-alunos, que não sei se serei capaz de descrever, a não ser que eu diga que foi ardente. Sam e Patrick me levaram de carro à festa naquela noite, e eu me sentei no meio na picape de Sam. Ela adora a picape, porque eu acho que o carro a fez se lembrar do pai. A sensação me aconteceu quando Sam disse a Patrick para encontrar alguma coisa no rádio. E ele só encontrava comerciais. E comerciais. E uma música de amor muito ruim que tinha a palavra "baby". E depois mais comerciais. E por fim ele encontrou esta canção realmente maravilhosa sobre um cara, e nós ouvimos em silêncio. Sam batucava com as mãos no volante. Patrick colocou o braço para fora do carro e fazia ondas no ar. E eu fiquei sentado entre os dois. Depois que a música terminou, eu disse uma coisa: "Eu me sinto infinito."

   Durante o ano em que acompanhamos a vida de Charlie no livro, percebemos que ele passa por determinadas situações, seja com a família ou com os amigos, em que ele não entende de imediato o porquê de algumas coisas. Achei interessante a forma como esse processo de compreender esse novo mundo foi desenvolvida. Fez com que esse fosse um daqueles livros que nos faz para pensar sobre as coisas. Posso dizer que entrei numa vibe filosófica enquanto lia.

   Acho importante comentar que assim que Charlie conhece Patrick e Sam ele se apaixona por ela, e como ela tem namorado e é mais velha, ele tem de aprender a lidar com isso.

   Não pense que por eu não ter entrado em detalhes sobre os outros personagens e não ter explicado melhor o que acontece com Charlie, esse é um livro chato. De forma nenhuma. Com certeza para quem gosta desse tipo de livro que nos faz refletir sobre as coisas, é uma leitura obrigatória. Espero de verdade que vocês leiam e que gostem desse livro assim como eu. E assim, possam se sentir infinitos também.


“A gente aceita o amor que acha que merece. ”

16 comentários :

  1. Oi Pricila!!

    Nossa, eu achei que o pessoal que gostou do livro tinha gostado do filme! Eu não conferi nenhum dos dois ainda, mas acho que pela resenha vou começar pleo livro rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, recomendo começar pelo livro antes pra não ter o risco de acontecer o que aconteceu comigo. Mas os dois são ótimos.
      Beijos

      Excluir
  2. Olá! Confesso, este livro nunca me despertou o interesse de leitura, nem o filme eu assisti. Gostei da resenha e fiquei intrigada, quem sabe agora eu o coloque na lista. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Li esse livro no ano passado, se não me engano, e fiquei decepcionada, pois falavam tão bem do livro que eu li ele com altas expectativas. Talvez se eu reler ele daqui há alguns anos, eu aproveite melhor a estória. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Sua resenha ficou ótima, ainda não li mas tenho muito interesse.
    Parabéns pelo blog, já estou seguindo para poder acompanhar as novidades <3

    www.papomoleca.com.br

    ResponderExcluir
  5. "Você lê um livro em determinada época da vida e não gosta, e algum tempo depois quando você mudou, experimentou coisas novas, sua percepção do livro muda completamente." EXATAMENTE! Eu li o livro uns anos atrás e não gostei nem um pouco, sério mesmo, achei um saco HAHA aí no final do ano passado decidi assistir o filme e simplesmente morri de amores, se tornou um dos meus favoritos! Agora eu quero até ler o livro de novo, porque acho que eu amadureci e vou entender a história bem melhor, sabe? Adorei a resenha!
    Um beijão,
    Gabi do likegabs.blogspot.com ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, sério que isso aconteceu com você também? Adorei saber.
      Beijos

      Excluir
  6. Olá, Priscila.
    Eu não vi o filme e nem pretendo ver. Como amei o livro fico com medo de me decepcionar. O Charlie é um personagem incrível que a gente quer pegar no colo e dizer que vai ficar tudo bem. A leitura vale muito a pena.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil, tem alguns filmes que eu também nunca assisti por esse motivo. Tem umas adaptações que de tão ruins parece que estão dando um tapa na cara da gente né.
      Beijos

      Excluir
  7. Oi, Priscila!
    Já tem um tempinho que li esse livro, mas lembro que não curti tanto como você. As pessoas falavam tanto, que criei muitas expectativas. Pretendo reler pra ver se minha opinião muda.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  8. Oi Priscila, tudo bem contigo ???
    Eu tive a experiência oposta com relação a essa obra, e também com relação ao filme ... No meu caso, gostei bastante da adaptação, que conseguiu trazer mais um pouquinho de sentimento e proximidade ao desenrolar dos fatos. Mas não gostei do livro, não consegui me interessar, não consegui me ligar com a história, achei tudo meio chato ... Não sei explicar porque, talvez seja o modelo em cartaz, talvez seja o fato de que esse tipo de livro não não tem mais apelo para mim, mas a experiência com o livro não foi boa.
    Mas uma coisa foi constante tanto no livro quanto no filme, o Patrick é o melhor personagem dessa história !!! Meu preferido !!! *-*

    Beijinhos
    Hear the Bells

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ruyoko, sem dúvida o Patrick é uma figura. Fiquei feliz em saber sobre sua experiência com a obra, vistei seu blog e amei. Parabéns pelo trabalho.
      Beijos

      Excluir
  9. Olá, Priscila.
    Por ser um livro que causa certa reflexão e por ter uma narrativa epistolar (algo que me agrada), acredito que daria uma chance para a obra. Pode não ser uma obra perfeita, mas acredito que ela tenha algo a acrescentar.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de julho. Serão quatro livros e dois vencedores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você disse tudo! Não achei perfeita mas gostei muito da linha de pensamento do livro.

      Excluir
  10. Oi Pri, até que enfim tive tempo para visitar e acompanhar melhor seu blog! Adorei a resenha, eu só vi o filme mas sei que o livro é mil vezes melhor, mesmo assim adoro esta história.
    Beijinhos ♥
    http://livroemflores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá! Quando li o livro (tem um tempinho já) eu fiquei muito confusa com a narrativa de Charlie. O fato dele ter dificuldade para entender alguma coisa me fez pensar que ele era deficiente ou que tivesse uma mentalidade de criança, sério! Mas li o livro, gostei bastante e parti para o filme. Simplesmente AMEI! Gostei mais que o livro porque algumas questões foram respondidas, ainda mais sobre a tia dele rsrs Espero que outras pessoas também leiam!
    Leitora Encantada

    ResponderExcluir