Passarinha - Kathryn Erskine

21 de mar de 2017

Título: A Passarinha
Autor: Kathryn Erskine
Editora: Valentina
Páginas: 224
Lançamento: 2013
Classificação: 5/5

Sinopse: “No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. É isso que seu irmão, Devon, sempre tentou explicar às pessoas. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai - a si mesma e todos a sua volta -, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido.  Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários, que considera fáceis por estarem repletos de fatos, preto no branco. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. E Caitlin está determinada a consegui-lo. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso, mas belo.  Um livro sobre compreender uns aos outros, repleto de empatia, com um desfecho comovente e encantador que levará o leitor às lágrimas e dará aos jovens um precioso vislumbre do mundo todo especial dessa menina extraordinária. ” 

Antes de trabalhar na área da saúde, eu não sabia de muitas coisas. Aqui perto de casa tem um rapaz que todos sabemos ser especial, e quando eu era pequena tinha medo dele porque as vezes, ele aparecia na rua gritando e saindo correndo. Mas anos depois, fiquei sabendo que ele passou por um período de adaptação com a medicação e que tinha Síndrome de Asperger. Ele é uma pessoa extremamente inteligente. Só precisa ouvir uma única vez um nome, ou uma explicação para aprender. Sabe os nomes da rua da nossa cidade de cor e salteado, sabe o nome das peças que compõe os carros, sabe muita coisa, e é apaixonado por chinelo Havaiana. Ele tem uma coleção e as vezes para as pessoas na rua para pedir a deles (rsrs). Sabendo disso e das características dessa síndrome, que é enquadrado como uma parte do autismo e que possui características próprias como dificuldade de interação social, dificuldades em processar e expressar emoções, na linguagem, dificuldade com mudanças na rotina e com pessoas desconhecidas, minha leitura foi extremamente proveitosa e me apaixonei pela Caitlin.

Acho que faz uns dois anos que eu assisti um vídeo da Pam falando sobre esse livro, e ela descreveu a leitura, os personagens com tanto carinho, com tanta emoção que eu pensei: preciso ler esse livro. Só que vocês sabem que as vezes ficamos com tanta vontade de ler que – não sei bem o porquê – acabamos deixando a leitura de lado, no completo esquecimento. Aí quando fui fazer a meta desse ano, sabia que teria que colocar esse livro nela. Quão boba eu fui, deveria ter lido antes.

“Papai diz que está na hora de eu voltar para escola, portanto aqui estou.
De volta à sala da Sra. Brook.
Sentada diante da mesinha redonda.
Olho para as paredes e pouca coisa mudou além da cara zangada no Quadro de Expressões Faciais que agora tem um bigode. Eu sei disso porque já olhei para aquele quadro mais ou menos um milhão de vezes tentando descobrir que emoção corresponde a cada cara. Não sou muito boa nisso. Tenho que usar o quadro porque quando olho para rostos de verdade eu não Capto O Sentido. A Sra. Brook diz que as pessoas sentem muita dificuldade de me entender porque eu tenho Síndrome de Asperger e por isso tenho que me esforçar muito mais ainda para entende-las e isso significa trabalhar as minhas emoções. ”

O livro é contado pela visão da Caitlin, uma menina de apenas dez anos que acabou de perder o irmão. Devon foi morto em um atentado que fez outras vítimas além dele. Ele era escoteiro e sempre incluía sua irmã nas coisas, falava como deveria se comportar em determinadas situações, a ajudava a entender o mundo como ele era. Mesmo entendendo que Devon não está mais entre eles, a reação que ela teve diante da notícia era diferente do normal. Ela não estava como seu pai que sempre chorava no banheiro, ficava olhando fixo para o nada. Ela estava... normal.

O fato dela ter dificuldade para perceber os sentimentos das pessoas, faz com que ela pareça ser um tanto grosseira as vezes. Ela relembra no decorrer do livro alguns momentos do passado, e um que demonstra exatamente o que quero dizer é uma cena que se passa quando os dois estavam assistindo ao filme do Bambi.

“A mãe de Bambi é morta com um tiro. A gente não a vê morrer porque é um desenho animado mas ouve o disparo e vê Bambi chamando a mãe sem parar e ela nunca volta, portanto está indiscutivelmente morte. Devon não parava de dizer, Ela não pode estar morta! Ela não pode estar morta!
E eu dizia, Ela está MORTA Devon! Ele começou a chorar e a dizer, Ela vai voltar! Ela tem que voltar! E eu tive que dizer para ele, ELA ESTÁ MORTA E NUNCA MAIS VAI VOLTAR, e papai teve que vir tirar Devo da sala porque como papai falou, Você não deve dizer essas coisas!”

Eles haviam perdido a mãe, e para Caitlin era um absurdo ver que o irmão não tivesse consciência de que sua mãe havia morrido eque por mais que ele pedisse, ela não iria voltar. Acredito que deu para perceber que o livro em algumas partes, é um pouco intenso.

O livro vai contar a trajetória que Caitlin vai traçar em busca de um desfecho. Ela quer saber o que  isso significa, e como fazer para encontrá-lo a fim de mostrar-lo a seu pai e amenizar o sofrimento dele. A história é narrada com tanta pureza e inocência, que é praticamente impossível não participar das dores, das alegrias e principalmente das conquistas de Caitlin. Passarinha é um livro simples, leve mas que retrata filmente as dificuldades e dureza da vida. 

Até a próxima! 

"Ele vira a cabeça para mim e sussurra, Perdedora. Eu sei, digo para ele, mas vou continuar tentando."


4 comentários :

  1. Oi Priscila,

    Eu fiquei sabendo desse livro quando a editora fez uma semana sobre ele e a Síndrome de Asperger. Fiquei bastante interessada em ler, mas ainda não encontrei o livro para troca. Outro livro com o assunto, que dai é mais para comédia, é O efeito Rosie. Recomendo muito! :)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Pri! realmente ás vezes a gente acaba esquecendo que quer ler um livro e por vezes é uma obra tao legal. Não li ainda, mas me parece ser uma leitura muito boa, com uma história riquíssima, aliás, como sua resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oi Priscila
    Estou para ler este livro já faz tempo, mas até hoje não consegui. De qualquer forma ainda não desisti.
    Linda resenha.
    abraços
    Gisela
    www.lerparadivertir.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Pri,
    Ainda não li esse livro, mais estou louca para ler, adorei a sua resenha me deixou com mais vontade ainda de ler o livro.
    Parabéns pelo o blog.
    Bjs 😘😘

    ResponderExcluir