[Resenha] Extraordinário - R. J. Palacio

24 de mai de 2016




Sinopse:

“August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência, ele é um menino igual a todos os outros. ”

   O que dizer sobre esse livro? R. J. Palacio não poderia ter escolhido um título melhor, porque realmente a história é extraordinária. Quando eu escolhi ler esse livro, pela sinopse eu já sabia que seria uma história bonita uma vez que o assunto que ele aborda é delicado por assim dizer, mas foi além das minhas expectativas.

   Auggie é um menino de apenas dez anos. Ele não é igual as demais crianças, e o que o torna diferente não é algum talento, dom, posição social, mas sim uma aparência um tanto incomum.


“Sei que não sou um garoto de dez anos comum. Quer dizer, é claro que faço coisas comuns. Tomo sorvete. Ando de bicicleta. Jogo bola. Tenho um Xbox. Essas coisas me fazem ser comum. Por dentro. Mas sei que as crianças comuns não fazem outras crianças comuns saírem correndo e gritando do parquinho. ”


   A história é narrada pelo ponto de vista de uma criança, do Auggie. Ele tem uma deformidade rara no rosto. Quando nasceu os médicos não deram esperanças, mas aqui está ele, dez anos depois, firme e forte.

   Ele sabe que o único motivo dele não ser comum é por que ninguém, além dele, o enxerga dessa maneira.

   Desde pequeno Auggie teve que passar por diversas cirurgias. Ele não teve uma infância tranquila, mas agora aos dez aos, comparado com antes está bem melhor. Ele é uma criança educada, obediente e desde o começo do livro a gente percebe que ele é especial. Não por fora, mas por dentro.

   Ele vive com os pais, com a irmã Olivia – todos em casa a chamam de Via – e com a cachorrinha Daisy. Um dia enquanto eles estão em uma festa de aniversário, Auggie acaba ouvindo sua mãe conversando sobre colocá-lo em uma escola. É claro que ele se assusta com a ideia, já é ruim o suficiente ter que enfrentar pessoas desviando o olhar, se assuntando e até encarando o rosto dele cada vez que ele sai de casa. Imagine uma escola cheia de crianças.

Embora o pai de Auggie fosse contra a ideia de colocá-lo em uma escola, eles marcaram uma data antes do início das aulas para o filho conhecer a escola e o diretor, o Sr. Buzanfa.

“Achei que teria um bumbum enorme, mas não. Na verdade, era um cara bem normal. ”

   Quando Auggie era menor, ele não se importava em conhecer outras crianças porque todos eram pequenos, e por isso não diziam as coisas para magoar. Já as crianças maiores, sabem exatamente o que dizer, e dizem com um único motivo. Te machucar.

   O diretor da escola convidou três alunos para conhecerem o Auggie antes das aulas: Julian, Charlotte e Jack. Os três ficaram responsáveis por apresentar a escola para Auggie. Alguns foram legais, outros nem tanto. Dessa forma, ele já pôde sentir o que o esperava.

   A mãe dele nunca o obrigaria a fazer algo que não quisesse, embora ela desse aulas para ele em casa, queria que o filho crescesse e enfrentasse seus monstros. No começo Auggie estava relutante mas acabou aceitando o desafio de ir para a escola.
  
   Os primeiros dias foram sem sombra de dúvidas os mais difíceis. Ele teve que aguentar muita coisa, coisas que eu não sei se suportaria. Eu não descrevi como o rosto dele é porque espero que vocês leiam, e no momento certo ele vai dizer.

   O que eu mais gostei nesse livro além da história, é que a partir de certo ponto ela passa a ser narrada por outras crianças que estudam com Auggie. Dessa forma não tem como ter pontas soltas na história e nem como a gente criar uma opinião sobre algum personagem que fez ou disse algo que não deveria.

   Outro ponto interessante, é que a irmã dele também ganha espaço na narrativa. No começo do livro, conhecemos ela como a irmã que o defende de todos, que sempre o apoia e o encoraja, mas ela também teve uma infância difícil. Tudo sempre girou em torno do irmão, e ela sabe que ele não tem culpa disso, mas seus pais perderam jogos, apresentações, momentos que qualquer criança gostaria de ter os pais por perto. Quando ela começa o ensino médio, tudo se intensifica e podemos conhecer uma pouco mais das inseguranças dela no que diz respeito ao irmão mais novo.

   A leitura é fácil, agradável e consegue prender o leitor. Gostei muito da forma como a história foi desenvolvida. Em nenhum momento adivinhei ou ficou óbvio o que iria acontecer.

  Enfim, por mim eu continuaria falando mais sobre o Auggie. Me apaixonei por esse menininho. Espero que vocês se interessem pelo livro e descubram como o Auggie aprendeu a lidar com todos esses desafios. Aprendi muitas lições com esse livro. Espero que vocês também aprendam.


"Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil. "


8 comentários :

  1. Oi Priscila, sempre tive curiosidade mas nunca li.
    Vou dar uma chance pra ele!
    Gostei mt da sua resenha

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre quis ler esse livro, mas to atolada com outras leituras, parece ser um daqueles livros que a gente se emociona né? Quero ler já.
    http://souadultaagora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Livro maravilhoso! E parece que terá adaptação para o cinema! Muito bom!
    bjs
    Renata Bonasio

    amo-os-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu estou ligadinha nesse assunto porque vou querer assistir.
      Beijos

      Excluir
  4. Oiii Pri, tudo bom?

    Falam super bem desse livro, apesar de ele nunca ter me chamado tanto a atenção. Eu confesso que nunca parei pra ler mesmo uma resenha sobre ele e me surpreendeu ler essa resenha, saber de que se trata e que pode ser sim uma leitura excelente. Passei a ver com bons olhos mesmo...
    Levo anotado para minhas futuras leituras, acho que pode me surpreender bastante

    Beijos

    naprateleiradealice.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você goste do livro tanto quanto eu Alice.
      Beijos ^^

      Excluir
  5. Amei sua resenha. Sempre escuto falarem de Extraordinário, mas nunca lhe dei uma chance. Quem sabe agora enfim crie coragem e o leia. Beijoos.

    ResponderExcluir
  6. Amei a resenha

    Eu acho que esss livro não seria tão extraordinarios se focasse apenas no Auggie.Todos os personagens são otimos

    Acho que "Extraordinario" não deixou apenas a mensagem de não julgar as pessoas pela aparencia,mas tambem pelas suas atitudes.Muitos personagens tiveram atitudes que fez antipatizarmos com eles até que ouvimos a versão do personagem conseguimos o perdoar.
    Um livro lindo demais sem duvida

    Amei a resenha

    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir