[Resenha] A Sereia - Kiera Cass

20 de mai de 2016


Sinopse:

“Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar - pois a voz da sereia é fatal -, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração. ”

   Olá pessoal! Sempre que eu termino de ler algum livro eu fico naquele dilema, e agora? O que eu leio? São muitas opções, ainda bem. Mas enfim, eu escolhi finalmente ler o primeiro livro da nossa querida Kiera Cass, a mesma autora dos livros A Seleção.

   A história vai girar em torno da Kahlen, uma menina de 19 anos, que estava em um cruzeiro com a família, uma das poucas que, apesar da crise da época, ainda tinham dinheiro. O tempo tinha estragado os planos deles, a tempestade fazia com que Kahlen se sentisse enjoada e indisposta para sair do quarto. Até que um som invade o navio.



“Foi então, no meio daquele torpor do enjoo, que ouvi uma coisa. Soava quase como uma cantiga de ninar distante, que me deixou curiosa e, por algum motivo, com sede. Levantei a cabeça e vi minha mãe fazer o mesmo, procurando o som. Nossos olhares se encontraram por um instante; ambas precisávamos garantir que o que ouvíamos era real. Quando percebemos que não estávamos imaginando coisas, voltamos a nos concentrar na janela para escutar. A música era de uma beleza intoxicante, como o efeito de um cântico sobre devotos religiosos. ”


   Enquanto eles estavam sendo levados para fora do quarto pela música, Kahlen vê pessoas se atirando no mar para ir em busca desse som maravilhoso. Quando ela sente o impacto duro da água no rosto, ela recobra os sentidos.

   Ela se dá conta do que está acontecendo e pensa consigo mesma que se recusa a morrer, que dezenove anos não são o bastante para uma vida. É aí que ela escuta uma voz perguntando se ela realmente quer viver e o que ela daria para continuar viva. Kahlen responde na hora que daria qualquer coisa.

   Imediatamente ela é levada para longe do naufrágio, como se alguma coisa tivesse envolvido a cintura dela e puxado para longe. De repente, diante dela se encontram três garotas lindas e toda a confusão de sentimentos que ela estava sentindo desaparecem por um instante. Diante de toda essa anormalidade ela pergunta se as três garotas são anjos, se ela morreu e agora está um lugar melhor. É então que ela conhece suas futuras irmãs: Marilyn, Aisling e Nombeko.

   Essas deusas explicam para Kahlen que são cantoras, sereias para ser mais específica. Mas gente, elas não são como as series que estamos acostumados a ver nas histórias ou nos filmes, nada de cauda dessa vez.

   Elas explicam que são responsáveis por alimentar a Água, é claro que isso soa estranho aos ouvidos de Kahlen, mas uma delas olha para as pessoas que estão morrendo afogadas tentando explicar o que realmente elas fazem.


“ – É nosso dever, e logo poderá ser o seu também. Se você der a Ela seu tempo, Ela vai te dar vida. Deste dia em diante, pelos próximos cem anos, você não vai adoecer nem se machucar, e não vai envelhecer um dia se quer. Quando o tempo terminar, você receberá de volta a sua voz e a sua liberdade. E poderá viver.”

   Funciona basicamente assim, quando esse período de cem anos acaba, a Água apaga da memória das sereias quaisquer vestígios da vida que tiveram, e elas podem então recomeçar do zero e descobrirem que são, sem toda essa coisa mística no meio.

   É claro que diante da escolha de morrer ou viver, ela escolhe viver e se torna sereia como as outras.
A história realmente começa quando já passaram oitenta anos, e faltam apenas vinte anos para Kahlen se ver livre desse compromisso. Diferente das irmãs dela que focavam em outras coisas para lidar com as mortes que provocavam, Kahlen tem um baú onde guarda todos os registos dos nomes de cada pessoa que ela já tinha causado a morte.

   Era mais forte que ela, e sentia que precisava saber quem eram, o que faziam, para preencher esse vazio que ela sentia. Mas também, convenhamos, se você mortal para os humanos, e tivesse que viver por cem anos falando apenas com suas irmãs sereias, sem poder falar uma palavra se quer com outras pessoas, você não se agarraria a alguma coisa?

   As vozes delas eram mortais para os humanos. Se elas se descuidassem e falassem uma palavra, eles entravam em uma espécie de transe e iam imediatamente em direção a água, em direção a morte.
Kahlen é a mais cuidadosa entre todas elas, a mais obediente. Enquanto suas irmãs frequentam baladas, ficam com outros meninos, ela evita ao máximo ter contato com algum humano.

   Até que um dia ela conhece um garoto chamado Akinli, que mesmo diante do silêncio dela não desiste e continua conversando como se ela estivesse respondendo.


“ As pessoas que ela atraía ficavam fascinadas com as mesmas coisas que fascinavam todo mundo: nossa pele brilhante, os olhos sonhadores e um ar misterioso. Mas esse garoto? Parecia enxergar mais do que isso. Me enxergava não só como uma beleza misteriosa, mas como uma garota que ele queria conhecer. ”

   Ela sabe que não pode se apaixonar e que isso nunca daria certo, já que daqui vinte anos, quando sua jornada terminar, ela esqueceria quem ele era.

   O livro vai girar em torno desse dilema. Para ser bem sincera, até a página cinquenta eu estava me obrigando a continuar a leitura. Não foi um livro que me ganhou desde o começo, mas depois melhorou e ficou interessante. Apesar de não ser um livro cinco estrelas, eu me envolvi na história da Kahlen e quando alguma coisa acontecia eu ficava ansiosa para saber como aquilo seria resolvido.
Sem contar que um dos pontos positivos do livro é que apesar de ser romance, não ficou naquela enrolação. O drama foi desenvolvido na medida certa. Espero que vocês gostem dessa história e se joguem nesse mar assim como eu.


“Sempre há espaço para o amor, mesmo que seja tão pequeno
quanto uma fresta na porta. ”

- A Sereia

9 comentários :

  1. Oi Priscila,
    Eu tô louca pra ler A Sereia!
    tô esperando uma promoção legal pra adquirir
    Gostei muito da sua resenha

    Bjoooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fer,
      pra falar a verdade, todos os livros que eu tenho lido esses dias foram pelo celular. Começo a trabalhar mês que vem só e até lá só estou na vontade.
      Beijos ^^

      Excluir
  2. Oi, tudo bem? Você não sabe o quão curiosa estou para ler esse livro, hahaha. Gostei muito da resenha, finalmente uma resenha que conta como a protagonista foi parar no mar e tal. Fiquei mais curiosa para ler o livro agora...

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Larissa, fico muito feliz em saber que você gostou. Eu gostei do livro, achei a história diferente e bem envolvente.
      Beijos

      Excluir
  3. Olá, Priscila.
    Diferente de você, já me vi envolvida com a história desde o começo. Eu amo a escrita da Kiera e esse foi mais um favorito para a coleção. Akinli está entre meus personagens masculinos preferidos. E no final até chorei hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Olá Priscila,
    Gosto muito dos livros da Seleção da Kiera mas depois que li A Herdeira dei uma desanima em ler as histórias dela.
    Estou querendo ler A Sereia mas estou enrolando há um tempinho.
    Espero que eu goste.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu acho a premissa desse livro interessante. Conheci a escrita da autora com A Seleção que foi viciante em todos os sentidos. Estou muito curiosa para ler A sereia, pois é o primeiro livro dela e quero saber como ela amadureceu a escrita.
    Dica anotada.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Olá Priscila, tudo bem? Eu também não estava gostando no comecinho do livro, a leitura estava bem arrastada. Só que as coisas foram acontecendo e eu amei esse livro! Ele me emocionou e me deixou com o coração apertado. Achei a história que a Kiera criou super inovadora!

    Beijo grande,
    http://queremosmaislivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir